LOGIN: 
SENHA: 


Setor Secundário

O parque industrial de Poços, além de bastante diversificado em termos de ramos produtivos, apresenta uma gama variada de empresas com portes e estruturas gerenciais distintos, desde multinacionais a empresas familiares, tradicionais e modernas, em convivência harmônica.

Um ramo importante é o da extração mineral, cujas representantes principais são Companhia Geral de Minas, CBA - Cia. Brasileira de Alumínio, Mineração Curimbaba Ltda. A exploração mineral de cunho industrial teve início em 1935, quando foi fundada a Companhia Geral de Minas, (Minegral), para beneficiamento de zircônio, bauxita e manganês. A exploração da bauxita cresceu após a instalação da fábrica da Alcominas, atual ALCOA em 1970 e, posteriormente, da Termocanadá, atual Phelps Dodge International do Brasil Ltda. tornando-se o principal minério da região.

Além da bauxita, tem-se a exploração de argila, sendo a Togni S.A. Materiais Refratários uma de suas principais consumidora.

Segundo os aspectos históricos, até a década de 50 a principal fonte poços caldense de receitas era o turismo, baseado nas águas termais e nos cassinos. Entretanto, nos anos 70 começaram a se implantar as primeiras indústrias de grande porte, atraídas pelas jazidas de bauxita. Além da Alcominas, produzindo lingotes de alumínio, e da Termocanadá, produtora de cabos elétricos de cobre e alumínio, chegaram a Fertilizantes Mitsui, com tecnologia japonesa, e a Celanese do Brasil, fabricando fibras sintéticas para a indústria 11 têxtil. Também data do período a passagem da Laticínios Poços de Caldas, para a produção de iogurtes, segundo a tecnologia francesa Danone.

Posteriormente, a Alcominas e a Termocanadá passaram a ser controladas pela Alcoa, constituindo a Alcoa Alumínio S/A e a Alcoa Divisão de Cabos e Condutores hoje Phelps Dodge International do Brasil Ltda., não pertencendo mais ao grupo Alcoa. Já a Celanese passou a se chamar Celbrás em 1987, através de sua incorporação ao grupo Sinasa. Em 1995, ocorreu associação entre a Rhodia e a Celbrás, formando a Rhodia-Sther, primeira indústria da América Latina na fabricação de resina PET, que em 2002 foi adquirida pela M&G Fibras e Resinas, do Gruppo Mossi & Ghisolfi, multinacional de origem italiana. Em Poços, a empresa produz fibras têxteis, resina PET e embalagens PET para refrigerantes.

A Danone está ampliando sua capacidade de produção no município.

A mais recente implantação no ramo de industrias alimentícias de Poços de Caldas, é a Ferrero-Rocher, fábrica de chocolates com tecnologia italiana.

Merece destaque a produção de vidros e cristais, que se originou da necessidade de produção de garrafas para o vinho aí produzido, ambos vinculados à imigração italiana do início do século, transformando-se, a partir de 1955, em atividade artesanal que confere hoje caráter típico ao município. Engloba empresas de porte diversificado, algumas bem estruturadas, que produzem souvenires ligados ao turismo.

Dentre empresas de maior porte, a Alcoa possui em Poços instalações industriais, que englobam três linhas de produção: refinaria (que produz alumina), redução (que faz tarugos, lingotes e alumínio líquido) e produtora de pó de alumínio.

A alumina constitui-se em insumo industrial importante para os ramos de cerâmicas, refratários, metalurgia e polímeros, sendo, após algumas transformações, também usada na indústria de papel e na fabricação de vidros e pigmentos. O produto lingote é encaminhado para fundição de rodas, motores e peças, artefatos de alumínio, extrusão, laminação, insumos para siderurgia e embalagens. Já o pó de alumínio é utilizado em metalurgia, refratários, pigmentos, explosivos e indústria química.

A empresa Togni S.A. Materiais Refratários, representa o segmento industrial de base local, com porte significativo e que se modernizou.

Possui duas unidades industriais, uma situada na avenida Antonio Togni, denominada Unidade 1, e outra (Unidade 2) no km 13 da estrada que vai para Andradas. Tem ainda em Sacramento, no Triângulo Mineiro, uma terceira unidade que produz sinter magnesiano, de magnésia-cromo e mulita sinterizada.

A Togni é uma empresa tipicamente familiar. Iniciou-se como uma cerâmica convencional. Foram então analisadas as possibilidades de linhas de produção mais nobres, chegando-se aos refratários para revestimento de fornos industriais; e hoje além desta, está com uma fábrica também em Poços de Caldas, de louças sanitárias - a Sanitex - com tecnologia de última geração.

Uma empresa multinacional há pouco implantada em Poços de Caldas é a Ferrero do Brasil, produtora de chocolates com tecnologia italiana. Oficialmente, a empresa iniciou sua operação no município em 31 de março de 1997, contando com 250 empregados na atividade-fim e 12 funcionários administrativos.

Quanto à exploração do urânio, ligada atualmente à INB - ex-Nuclebrás-, deve-se salientar que sempre esteve e está concentrada no município vizinho de Caldas. O minério de urânio, após tratamento especial, é transformado em yellow cake, na usina de concentrado de urânio, e destinado aos reatores nucleares de Angra dos Reis. O empreendimento foi inaugurado em 1982, pelo Presidente Figueiredo, estando a empresa em processo gradativo de transferência para a Bahia, onde há jazidas de maior teor.

MAIS FOTOS
PORTAL POÇOS NA REDE.COM - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. Email: [email protected]